Tecnologias em equipamentos conseguem desenvolver diferentes peças agregando design no projeto de mobiliário

Daniel Libeskind, um dos principais arquitetos do mundo, destaca que a tecnologia pode beneficiar a criatividade, tornando-se um elemen- to essencial para criar sem limites e fabricar qualquer objeto sonhado pela mente fértil de um designer, e o mais importante, em grande escala. Em uma sociedade em que o tempo é cada vez mais precioso, a tecnologia traz inúmeros benefícios e sua união com design pode automatizar ambientes e torná-los mais eficientes.

Entre as vantagens de unir design e tecnologia, está a capacidade de produzir sem ser limitado. Graças às inovações tecnológicas, criar objetos de design, movidos pelo desejo de brincar e experimentar novos con- ceitos, é possível. Em uma conversa envolvente entre criatividade, inova- ção e tecnologia, são mais facetas e espaços que se abrem.

A tecnologia e design estão mais ligados do que nunca na era do digital e da experiência do usuário. Um bom design é aquilo que traz uma solução eficiente a determinado contexto ou problema. É o uso da criatividade, boa pesquisa e planejamento para melhores resultados.

Para a World Design Organization (WDO), o design é um processo estra- tégico que melhora a qualidade de vida das pessoas por meio de produtos, siste- mas e experiências inovadoras. Segundo Federico Broccoli, diretor comercial das Américas, o design é um vetor de cresci- mento na medida em que responde de forma eficaz a demandas em várias áreas, e pode resolver equações complexas. “Por isso, consideramos o design base do nosso trabalho”, frisa.

Com a grande importância do design no mercado, a Biesse busca investir em design, com tecnologia. “A replicabilidade de uma obra de design em um mundo que prima pela personalização, é de extrema importância para a Biesse, cujas tecnologias e produtos são projetados para estar a serviço de quem trabalha com vidro e madeira em todo o mundo. Nosso papel é sim- plificar as tarefas do operador e tornar as máquinas acessíveis e flexíveis para essa produção personalizada. Então, esses dois universos que em um pri- meiro instante parecem tão distantes, se convergem. E temos investido muito nele”, diz Broccoli.

Um exemplo que ele cita é o apoio aos clientes com códigos inovadores que investem em tecnologia, mas acima de tudo, um modo de inventar e produzir. “Isso é feito com a força de um design inteligente, bonito e funcional, mas mantendo a simplicidade e praticidade numa parceria bastante comprometida com os resultados não somente estéticos, mas de negócio. Segura- mente as tecnologias e soluções Biesse conseguem conjugar de maneira eficaz os padrões da produção industrial moderna com os valores da manualidade”, pontua o diretor.

TECNOLOGIA ALIADA AO DESIGN

Ao conectar design, tecnologia e treinamento, por exemplo, a Biesse consegue criar um círculo virtuoso que aumenta a criatividade e oferece opor- tunidades reais nessa era da fabricação digital. Desse modo, realizar formas complexas de forma simples e econômica, tanto em termos do entorno que está sendo criado, quanto do design em si, são formas de agregar valor ao design pela tecnologia.

“As máquinas Biesse, por exemplo, permitem mudar o estado do próprio material e transferir a madeira e outros materiais do estado sólido para o digital, no qual o material se torna inteligente e está pronto para assumir outras formas, assim que retirado da máquina”, explica Broccoli.

Uma ferramenta que alia tecnologia e design é o centro de usinagem CNC (Controle Numérico Computadoriza- do). Essas máquinas são projetadas para clientes que desejam investir em um produto capaz de processar qualquer tipo de elemento de modo rápido e econômico.

O Rover AS15 da Biesse, por exemplo, é ideal para a produção de qualquer elemento, como janelas, portas, esca- das, bancadas, artigos de decoração e mais. O cabeçote de operação de 5 eixos, equipado com fuso de 13 kW HSD e com rotação contínua de 360° no eixo vertical, permite o processa- mento de formas complexas garantindo qualidade, precisão e confiabilida- de absoluta a longo prazo.

Já o Rover B é o centro de processa- mento concebido tanto para pequenos produtores qualificados quanto para grandes indústrias. “Configurável e de alto desempenho, garante acabamento de qualidade com qualquer condição de trabalho”, destaca Broccoli. Com ele, é possível processar dois painéis ao mesmo tempo e trocar a ferramenta durante o funcionamento da máquina, garantindo que há sempre uma ferramenta trabalhando com o produto.

A unidade operacional com 5 eixos, equipada com eletromandril HSD de 13 ou 16,5 kW, rotação de 360° contínua nos eixos vertical e horizontal, permite o processamento de peças com formas complexas, garantindo qualidade, precisão e total segurança ao longo do tempo.

Com essa tecnologia atuando em prol do design, os maquinários agregam valor ao produto. “Temos exemplos práticos que tangibilizam bem as possibilidades”, enaltece o diretor. Isso foi alcançado em diferentes desafios, mas com um ponto comum: a parceria entre Biesse e os clientes.

“Uma entre muitas parcerias históricas, a Biesse está sempre disposta a se desafiar e encontrou no estúdio BWM um case bastante interessante para testar a tecnologia CNC no campo. O centro de processamento e o software bSolid trabalharam em conjunto para converter a ideia em uma obra-prima.

Centro de usinagem Rover B

O resultado é admirável. A madeira se presta de boa vontade à transformação em mesa e cadeira sinuosa de contornos perfeitos e infinitos, uma obra que flui ininterruptamente, como as ondas que a inspiraram”, destaca Broccoli.

Na Lago, o desafio foi chegar a uma planta com espírito de personaliza- ção, velocidade e flexibilidade para que o compromisso com o design inteligente e inovador se efetivassem de forma sustentável. Lá uma nova célula de esquadrejamento com Stream MDS e Winner W1, uma nova célula de perfuração com Skipper 130 e uma nova seccionadora Selco WNR 650 conectada ao Winstore 3D K1, gerenciam de forma inteligente todo o material a ser processado.

“Claramente uma equação que depen- de muito da tecnologia. Outro exemplo nesse mesmo cliente, é o uso da Brema Eko – que além de ser extremamente flexível, permite simplificar algumas etapas, já que pode processar peças pintadas sem perigo de danificá-las. É a prova que, com ideias claras e um fluxo de trabalho organizado com precisão, é possível encontrar soluções simples, personalizadas e que produzem exce- lentes resultados”, define Broccoli.

 

Go to top of page